Como Funciona


- O sistema líder de inspecção de tubagem para relatórios rápidos, precisos e objectivos sobre a localização e o estado de tubagens enterradas ...

Uma corrente eléctrica aplicada a uma tubagem de metal enterrada bem revestida diminuirá gradualmente com o aumento da distância do ponto de injecção do sinal de corrente, porque a corrente escapa para a terra através do revestimento – Fig. 1.   Fig. 1
     
 

Fig.2 Se o revestimento tiver uma espessura uniforme e separar a tubagem do solo circundante em todos os pontos, a intensidade da corrente do sinal na tubagem reduzirá logaritmicamente. A proporção da redução dependerá principalmente da resistividade eléctrica do invólucro ou revestimento utilizado e da área do revestimento em contacto com o solo por unidade de comprimento de tubo, isto é, para um revestimento dado, a redução na intensidade do sinal é proporcional à circunferência do tubo – Fig. 2.
     
 
Nota: devido à magnitude relativa das resistências envolvidas, normalmente as alterações locais na resistência do solo podem ser ignoradas. Se houver um caminho eléctrico de baixa resistência da tubagem para o solo em qualquer ponto, haverá um aumento substancial na proporção de perda de corrente de sinal – consulte a Fig. 3. Fig.3

     
 
 

Este caminho de baixa resistência pode ser causado por:

bullet revestimento aplicado incorrectamente
bullet avaria mecânica do revestimento, antes, durante ou após a instalação
bullet enfraquecimento do revestimento devido às condições do solo
bullet descolamento do revestimento da tubagem – desde que a água subterrânea tenha penetrado na abertura para proporcionar um caminho eléctrico para a terra
bullet uma fuga na própria tubagem, fazendo o revestimento falhar no ponto de fuga.
 
 
Já que a resistência deste caminho é muito inferior à resistência do revestimento não danificado, a perda de corrente resultante – mesmo de uma pequena falha de poucos mm2 – normalmente pode ser detectada por um aumento significativo na proporção aparente de redução da corrente num comprimento de tubagem bastante longo.

Na prática, a existência de uma ou duas falhas pequenas numa secção de tubagem de várias centenas de metros, geralmente pode ser tolerada porque podemos esperar que o Sistema de Protecção Catódica (PC) evite que corrosão séria se desenvolva rapidamente. Neste caso, pode não ser necessário localizar as falhas específicas imediatamente, mas a proporção de redução logarítmica no sinal da corrente entre dois pontos específicos naquela secção pode ser registada para referência futura, de forma que qualquer deterioração pode ser monitorizada por inspecções repetidas regularmente no futuro.




 

Nota: a proporção logarítmica da redução da corrente (atenuação) – medida em milibels por metro – é na realidade independente da corrente aplicada e é, portanto, apenas marginalmente afectada por mudanças sazonais na resistência do solo. Por isso, é de facto uma indicação absoluta do estado médio do revestimento entre dois pontos dados na data da inspecção.
 

O sistema C-SCAN consiste em dois elementos principais:


O Gerador de Sinais (à direita) é ligado à tubagem (geralmente numa Estação Transformadora/Rectificadora ou num Posto de Teste de PC) e a um ponto de ligação à terra apropriado. Isto produz um sinal CA constante que passa ao longo da tubagem por 2-3 km (dependendo da qualidade do revestimento) em ambas as direcções.

O Detector de mão (à esquerda) mede o campo electromagnético que está agora a irradiar da tubagem em qualquer ponto dentro do alcance do sinal. Em cada local, o Detector é ligado e – se houver um sinal presente – o visor dirigirá o operador para a tubagem, mostrando a sua orientação e a sua distância e profundidade aproximadas. Quando está directamente sobre a tubagem, o Detector calcula e visualiza a profundidade exacta, a intensidade do sinal restante e as coordenadas precisas do local. O operador usa o teclado para armazenar os dados, após o que o Detector visualiza imediatamente o valor de atenuação de volta para qualquer local armazenado anteriormente.